sábado, 21 de novembro de 2009

“Decrescimento” e a revolução do tweed

O “decrescimento” é um conceito inventado por Nicholas Georgescu-Roegen. Movimento com grande eco em França, sobretudo a partir de 2002. O decrescimentistas procuram criticar o desenvolvimento sustentável que seria um capitalismo verde e têm por isso grande eco nas correntes ecologistas mais anarquizantes, o que terá inclusive evitado a criação de um Partido pelo Decrescimento, em 2006.
Para mais informações consultar: http://www.decroissance.org/ ou http://www.decroissance.info/
Paralelamente, surgiu na Grã-Bretanha, à volta da revista “The Chap”, um movimento «anarco-dândi» que diz que o que é antigo tem em geral melhor qualidade e que por isso deve a nossa opção. Chegando a alguns extremos, não deixa de ser um sinal de alarme para o facto de tudo estar a perder qualidade em geral, desde a música às roupas até ao cinema e às casas de habitação, será?
Para mais informações consultar: http://www.thechap.net/
Sem querer desvirtuar os referidos movimentos, mas pegando nos seus leitmotivs achamos que se completam. Digamos que uma das chaves para um “decrescimento” sustentável pode ser precisamente uma aposta numa maior qualidade dos produtos de “consumo”, fazer o que é de hoje mas com a exigência do passado.
Mário Bruno Cruz/20.Nov.09

1 comentário:

  1. O descrescimento é uma ideia excelente, que precisa de ganhar cada vez mais adeptos. Parabéns, Mário, pela divulgação do que tanta falta nos faz.

    ResponderEliminar

Arquivo do blogue